Obrigado Cize - Site Especial Cesária Évora - SAPO Cabo Verde

Tey Santos, percussionista e baterista da banda

O percussionista e baterista Tey Santos (Antero Santos) andou nos últimos cinco anos com a Cesária Évora pelo Mundo fora, por cerca de 70 países. Antes desta experiência participou pontualmente em discos da cantora.

O percussionista revela que se aprende muito com a Cesária e que é uma pessoa “extremamente natural e tem uma relação de família” com a banda. “Onde ela for é sempre bem recebida, quer seja na Rússia, na Polónia, ou na América, e consequentemente nós os músicos também.”

“Cesária é uma pessoa muito especial e ainda, quem sabe no futuro, as pessoas vão lhe dar uma maior dimensão. Uma pessoa que cativou o mundo inteiro, não só pela sua voz mas pela sua naturalidade”, afirma Tey Santos e realça que Cize é uma artista que valoriza sobretudo o aspecto humano.

“Não foi a primeira que ela se sentiu uma indisposição, eu já sabia que, mais cedo ou mais tarde, teria de existir esta paragem na sua carreira”, acrescenta apesar qe que de como músico, gostava de continuar este projecto com ela.

“Espero que no futuro, a música (cabo-verdiana) seja vista de outra forma a nível mundial (…) principalmente com este “pontapé” que a Cesária deu”.

“Actualmente, (em Cabo Verde) já é dada uma atenção especial à Cesária. E mesmo nós artistas sentimos isso, ao lado dela é nos dado um tratamento diferente”, explica o músico mas salienta que “há muitos mais tempo” isto poderia ter acontecido, visto que a Cize é um “chamariz” de Cabo Verde que levou o nome das ilhas lá fora.

“Parece magia quando vês pessoas a fazer fila e a dormir na porta de um hotel em países como a Polónia ou  Turquia, para conseguir um autógrafo”, afirma Tey com emoção.

“Na Grécia, uma senhora encontrou a Cesária a fumar à porta do hotel e pediu-nos, por favor, que lhe arranjássemos um bilhete. Lá arranjamos e no final ela apareceu com um ramo de flores, apesar de todas as dificuldades que tinha”. Um episódio que ficou na memória do percussionista.

“Uma pessoa simples, humilde, com os pés descalços, sem maquilhagem, com a sua voz natural consegue projecção a nível internacional, e isto numa sociedade de consumo onde vivemos actualmente”, refere Tey Santos que defende que se devia estudar mais a história e o percurso desta cantora.

Foto @ Flickr